domingo, 4 de novembro de 2007

Poesia da maioridade

Será este apenas mais um aniversário?
Será este um momento de transformação?
Depende do foco e amplitude. Pode ser ou não!

Legalmente, és dono de si. Responderás
Pelas ações e reações que vieres a cometer,
Querendo, ou até mesmo sem querer,
Deverás ter firmeza para agir e enfrentar.

Legalmente, terás de exercer teu direito de cidadão.
Que o faça com consciência, e não por obrigação,
Não caindo em descrença, nem entrando em maledicência,
De voto em voto, ainda mudaremos nossa nação.

Legalmente, poderás tirar tua carteira de habilitação.
Com prudência, escolherás moto, carro, caminhão não.
Ainda não é definitiva. Se vacilares e o marronzinho encrencar,
Mais um ano ficarás sem dirigir. E não adianta chorar.

Poderás, também, entrar em qualquer balada, despreocupado
Em ser barrado ou questionado. Poderás comprar ou consumir
Bebida alcoólica, mas, por certo sei que, mesmo influenciado,
Poder não é querer. Admiro-te muito por isso.

Não somente estes direitos e deveres legais farão parte desta
Nova etapa de tua vida. Em meio a lutas de interesses, eis
De sofrer pressões da massa, tentando sucumbir
E derrubar as leis majoritárias: tuas próprias leis.

Tentações surgirão por todos os lados.
Prazeres diversos vivenciarás:
No amor, trabalho ou num pagodão. Mas,
Como servo de deus e com fé no coração,
No caminho Dele certo sempre estarás.


Valoriza teus amigos e família,
Que de fato querem teu bem,
Não apenas se lhes convém
Desejam é te ver crescer.

Não te deixe aborrecer,
Com conselhos que vierem
Pois longe, ou onde estiverem
São eles. Tu podes crer!

(Felipe Carvalho)
outubro de 2007

6 comentários:

Mari disse...

Fê, dá um enter na segunda estrofe, no último verso. Sabe o que esse poema me lembra? Uma música do Alice Cooper, que se chama “I’m eighteen”, e fala sobre o que é ser um homem de 18 anos. “I got a baby's brain and an old man's heart” (tenho um cérebro de bebê e um coração de homem velho); “don't always know what I'm talkin'about/Feels like I'm
livin in the middle of doubt/ Cause I'm eighteen” (Não é sempre que sei do que estou falando, parece que estou vivendo no meio da dúvida, porque eu tenho 18 anos); “I'm a boy and I'm a man / I'm eighteen and I like it” (Eu sou um garoto e um homem/ eu tenho 18 anos e gosto disso)... vale a pena escutar a música toda, qualquer dia eu te mostro. Amo o Alice rsrsrs... e essa música não é pesada.

Dá pra gente sentir que o eu lírico não tem 18 anos... por um lado, ele é ríspido com o interlocutor, já que dá conselhos e estabelece diretrizes para uma vida que vai mudar muito, mas, por outro, é extremamente divertido (como em “num pagodão”, ou em “caminhão não”). Vejo que neste o poeta estava um pouco mais preocupado com questões formais, como rima e a métrica das estrofes. O poema é lindo, e consegue resumir muito das responsabilidades e dilemas de quem está mudando de fase na vida.

Carlos disse...

Parabéns ao autor, gostei e espero que me desculpe, mas copiei e colei para minha primogênita que acaba de conquistar sua maioridade.
Carlos Rocha

Carlos disse...

Parabéns ao autor, gostei e espero que me desculpe, mas copiei e colei para minha primogênita que acaba de conquistar sua maioridade.
Carlos Rocha

Felipe Carvalho - FC disse...

Ola, Carlos,
Eh uma satisfacao saber que gostou. Sinta-se a vontade para utiliza-la. Apenas nao se esqueca de dar os creditos.
Volte sempre a este nosso ambiente.

Abracos,
Felipe Carvalho

Miguel Basílio disse...

Pow... amanhã dia 10/07 completo meus 18 anos... e o teu poema ampliou minha visão em relação a maioridade... muito show... abraço
Miguel Basílio

Karolinne - Brasília DF disse...

Amanhã [15-11-10] faaço 18 anos... tava fuçando akie... e encontrei esse poema... pow... eh beem massa.... Gostei...